2019-03-15
Toshiba traça estratégia para o futuro com vista à descarbonização no AVAC
Filipa Cardoso

As cidades de Porto e Lisboa receberam, esta semana, encontros técnicos organizados pela Beijer Ref Portugal, empresa que representa as marcas Toshiba e Wolf em Portugal. Os dois eventos tiveram casa cheia e serviram para apresentar as novidades das marcas, com especial destaque para o posicionamento da Toshiba enquanto fabricante de equipamentos mais amigos do ambiente.

 

“Temos novidades na óptica daquilo que o mundo procura, que é não haver queima de matérias-primas poluentes, e na óptica do desenvolvimento de produtos que resultam do conhecimento da Toshiba, nos quais a energia é a alimentação principal – desde eólica às ondas do mar, geotermia, etc.”, explica José Adriano, um dos responsáveis pela Beijer Ref Portugal. “Este é um know-how muito grande. Viemos transmitir a evolução dos equipamentos nesse sentido: menos consumo, melhor produção em termos de eficiência e maior conforto também para o utilizador”, continuou.

 

Aproveitando os ventos favoráveis do mercado actual, 2018 foi um ano de “crescimento” também para a Beijer Ref Portugal, sendo que, em 2019, a tendência positiva mantém-se. No volume de negócios da empresa em 2018, foram os VRF que detiveram maior percentagem, com 49 %, seguidos pelas gamas residencial (24 %) e comercial (17 %). Porém, para José Adriano, é expectável que as eleições deste ano provoquem uma desaceleração e até retracção do negócio. “Já se começa a sentir algum retardar de decisões”, relata.

 

Nas perspectivas para os próximos três anos, a Toshiba quer “melhorar a qualidade e eficiência dos seus produtos, duplicar o volume de negócios nas gamas residencial e comercial e no negócio das UTAs, e crescer 40 a 50 % no volume de negócios dos VRF”, anunciou Henrique Vieira, director de operações da Toshiba Portugal. Para o conseguir, a aposta passa, entre outros, pela utilização de novos refrigerantes, em particular o R32, que, em 2019, vai já estar disponível em toda a gama residencial e comercial da marca, e “a criação de uma série de incentivos para os clientes com vista à sua fidelização”. 

 

Ainda que sem uma “expressão semelhante à dos grandes fabricantes que estão em Portugal”, a Toshiba detém “uma quota de mercado de cerca de 10 %”, segundo José Adriano, enquadrando-se em segmentos de mercado específicos: equipamentos de expansão directa e bombas de calor de aerotermia. Este último assume-se como um dos mais promissores no momento, o que é também uma oportunidade que a empresa quer aproveitar – “A ideia é de facto crescer e aproveitar as oportunidades que o mercado nos dá, sempre com aspectos técnicos na aplicação do equipamento e não aspectos preço. O preço é importante, mas não é o que nos move em termos de desenvolvimento de produto. A Toshiba não está numa óptica de ganhar mercado pelo preço, mas, sim, por outras vias. E temos bons indicadores de que isso já está a acontecer, daí a resposta que tivemos a este convite feito a um grupo alargado e temos esta plateia interessante quando as pessoas cada vez têm menos disponibilidade para estes eventos”, considera José Adriano.

 

“O futuro é eléctrico”, afirmou, de forma peremptória, Carlos Gómez, director da Beijer Ref Ibérica, que participou também do encontro. Em linha com a orientação para as energias limpas da marca nipónica, o responsável destacou o potencial das tecnologias de bombas de calor aerotérmicas no sector da climatização. “É a nossa missão como sector e indústria: conseguir fazer um duche quente sem ter de queimar nada. As bombas de calor a aerotermia são a solução e nós vamos implementar essa mudança”, exclamou.

 

Em Lisboa, o meeting técnico teve lugar no dia 13 de Março, no Hotel Intercontinental, e contou com quase 200 pessoas. “Como convidados temos um mix de empresas de engenharia, alguns clientes finais de grande potencial e empresas instaladoras devidamente certificadas para o efeito”, contou José Adriano. No dia anterior, num encontro semelhante, mas no Porto, estiveram 110 participantes. “Este ano, tomámos a dianteira em relação aos restantes parceiros concorrentes, para deixar a mensagem do que é importante ter no dia-a-dia na aplicação de soluções na área da climatização”, afirmou o gestor.

ASSINE JÁ
aceito os termos e condições